Eu estou bem, estás a ouvir?

kidOntem depois do jantar e antes de ir para a cama o meu filho de 10 anos disse-me que estava mal disposto. “O meu estômago está com demasiado odor a queijo…” queixou-se meio dobrado (É assim que ele às vezes descreve o que sente… por exemplo uma dor de cabeça, parece um tomateiro a ganhar raízes…)

“Veste o pijama, coloca-te direito e senta-te um pouco no sofá enquanto eu deito a tua irmã.”

Quando cheguei à sala, 5 minutos depois, já estava animado. “Então? Já estás melhor?” “Já estou bem! Resolvi estar bem e dizer ao meu cérebro que estou bem! E ao estômago disse: Não venhas cá com coisas que eu estou bem, estás a ouvir? Deixa-me em paz! Já te disse que estou bem e não quero saber! Por isso não te ponhas a inventar que eu cá não vou ficar mal disposto!”

E assim foi. Foi para a cama bem disposto.

Acredito que podemos realmente comandar os nossos sentimentos e que o nosso cérebro é uma máquina brutal. Faz o que lhe mandamos fazer. Acredita no que o mandamos acreditar. Devíamos usar mais este poder! Estar bem é uma decisão!

Como o meu filho tem apenas 10 anos o nível de crença dele é maior. Ainda não levou com meio mundo céptico a dizer que as coisas não são bem assim. E como acredita, acontece… tem o poder de fazer acontecer.

Ponho-me a pensar… como seria o mundo se todos resolvêssemos acreditar que somos felizes?